PUBLICIDADE

Conselho mantém suspensão de ingresso nos cursos de Letras em Corumbá

Ricardo Albertoni em 06 de Agosto de 2022

Arquivo/Anderson Gallo

Ingresso de novos estudantes nos cursos dessas disciplinas está suspenso desde 2021

O Conselho do Campus do Pantanal, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, decidiu manter a suspensão nos próximos dois anos, de vestibular para os cursos de Letras Português/Espanhol e Letras Português/Inglês.

A decisão é uma resposta ao Relatório elaborado pela Comissão Avaliadora Multicurso, apresentado ao Conselho com o objetivo de propor formas de resolução para problemas identificados e ajustes para retorno da oferta desses cursos já no ano que vem.

O ingresso de novos estudantes nos cursos dessas disciplinas está suspenso desde 2021. Na época, a UFMS justificou a decisão alegando “Reestruturação dos Projetos Pedagógicos dos Cursos – PPCs e necessidade de melhoria nos indicadores”.

Mudanças de turno para o período matutino e diminuição do número de vagas estão entre as propostas apresentadas pela Comissão para o retorno dos cursos. No entanto, o diretor do CPAN e presidente do Conselho, professor Aguinaldo Silva, alegou que uma redução de 50% no número de vagas, sugerida no relatório, "vai contra a política de acesso e expansão do MEC para o ensino superior".

Além disso, números decrescentes de matriculados nos últimos anos; possível impacto do lançamento de modalidade EAD (Ensino a Distância) da UFMS; desdobramentos sobre a não obrigatoriedade do ensino de Espanhol nas escolas seguindo orientações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que, segundo o texto, desencadearam desinteresse pela graduação, além de quadro reduzido de professores, estão entre os argumentos do diretor para que a decisão, “por cautela e responsabilidade institucional”, seja reavaliada.

Por fim, o diretor destaca que a sociedade ainda sente os reflexos e a instabilidade da pandemia da covid-19 e que uma decisão sem plena avaliação desse histórico e atual contexto social poderia ser precipitada. Ainda, observa que em "nenhuma hipótese" a decisão tem como objetivo a extinção dos cursos, mas sim, estimular empenho institucional com o objetivo de "solucionar problemas atuais existentes que assegurem e garantam a sobrevivência, existência, manutenção da formação dos acadêmicos matriculados e formandos pelos dois cursos".

Na sexta-feira (05), grupo de acadêmicos protestou contra a suspensão de ingresso de novos alunos por mais dois anos. Eles temem a extinção dos cursos. (matéria editada para atualização de informação)

Divulgação

Acadêmicos temem extinção do curso de Letras

PUBLICIDADE