PUBLICIDADE

Com aumento de casos de covid-19, 56 das 79 cidades de MS tiveram novos registros da doença

Portal de Notícias do Governo de MS em 20 de Janeiro de 2022

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Em Corumbá, testagem pode ser feita no Ginásio Poliesportivo

Com o aumento de casos de covid-19 no Mato Grosso do Sul, 56 das 79 cidades do Estado tiveram registros da doença, no último boletim divulgado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde), na quarta-feira (19). As autoridades alertam para a necessidade de manter as medidas de biossegurança, assim como procurar as unidades de saúde para completar o ciclo de imunização.        

No primeiro boletim do ano, divulgado em 03 de janeiro, apenas 14 cidades do Estado registraram novos casos de covid, o que representa aumento de 300% ao fazer esta comparação, em relação a incidência nas cidades. Trata-se de mais um indicativo que demonstra o crescimento substancial da doença. 

Já a média móvel de mortes na última semana está em 3,1, contra 1,1 no primeiro boletim do ano em janeiro. Segundo a SES, o recorde de óbitos devido a doença continua sendo 10 de abril do ano passado, quando a média estava em 56,7.   

Uma das principais preocupações das autoridades é sobre o aumento de internações, que chegou a 204, sendo 60 em leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), assim como o crescimento da taxa de positividade nos testes feitos para covid, que nos primeiros dias de janeiro estava em 10%, 6,6% e 14,5% e agora chegou a faixa de 50,1%, ou seja, metade dos exames feitos tem dado resultado positivo. 

Vacinação

As autoridades destacam que a imunização continua sendo a melhor alternativa para conter a Covid-19, e assim evitar internações e mortes devido a doença. Em Mato Grosso do Sul 91% da população adulta já está com a imunização completa, enquanto que 60% dos idosos já tiveram acesso a dose de reforço. 

“O Estado atingiu marca de vacinação de 91,7% de 18 anos acima, completamente imunizados, e isso é importante para que a gente não tenha ocupação de maneira tão agressiva nos leitos hospitalares”, destacou o presidente do Comitê Prosseguir, Eduardo Riedel.

PUBLICIDADE