PUBLICIDADE

Cidadão mais “antenado” com as contas públicas

Da Redação em 04 de Setembro de 2017

Notícia que vem lá da capital do Estado dá conta de que o acesso ao Portal da Transparência subiu quase 55%, ou seja, os cidadãos estão procurando saber um pouco mais sobre o que o Mato Grosso do Sul arrecada e como gasta o dinheiro recolhido com os impostos.

O Governo

Comemora esse crescimento, até porque é uma das metas do governador Reinaldo Azambuja, a transparência das contas públicas em sua gestão. Ele mesmo determinou que o portal fosse mais abrangente e relatasse desde o seu salário até os valores gastos com material de consumo das secretarias.

Enquanto isso

Tem muita prefeitura aí preocupada com a transparência, principalmente aquelas que afirmam não ter dinheiro para fazer obras.

E o Legislativo

Que se vê obrigado a declarar até mesmo as diárias gastas pelos vereadores que viajam todos os meses, não deve gostar nada desse tal Portal da Transparência. Com as despesas sendo declaradas, dá para ver o quanto os edis gastam além dos salários.

Bem preparados

Pelo menos os vereadores ficam bem preparados viajando tanto para fazer cursos, congressos e outras coisas mais. Em quatro anos, eles devem aprender bastante nessas “excursões” rotineiras.

Operação Brabo

A Polícia Federal deflagrou nova operação para desarticular quadrilha de tráfico de drogas no eixo Rio Grande do Sul/Brasília, passando por São Paulo e Minas Gerais. O grupo é acusado de traficar 6 toneladas de cocaína pura para a Europa, via Porto de Santos.

Tem que ter operação?

Interessante é que um serviço que deveria ser rotineiro, a apreensão de cocaína e a prisão de traficantes, virou situação de “operação”, ou seja, algo que tem o tom de extraordinário, que não é uma rotina, e todas elas bem batizadas.

Conhecimento de causa

Todo mundo sabe de onde vem a cocaína, como ela entra no Brasil e de que forma ela transita por território nacional e é enviada para outros países, qualquer leigo sabe. Então, para combater o tráfico é preciso de mais empenho, não por parte da PF, que a exemplo de outras instituições luta com dificuldades, mas pelos governantes que deveria estruturar melhor a fiscalização e investir mais no trabalho das polícias.