PUBLICIDADE

Sarobá reverencia Lobivar Matos e celebra arte com paz em espetáculo na rua

Portal de Notícias de MS em 26 de Maio de 2022

Divulgação/Vaca Louca

Sarau itinerante: apresentação do Teatro Imaginário Maracangalha

Inspirado na obra modernista do corumbaense Lobivar de Barros Matos, que se autodenominou “desconhecido”, mas é reconhecido décadas depois de sua morte, em 1947, o movimento cultural Sarobá – nome do seu livro que retrata “a mancha negra na cidade mais branca do mundo” - chega a terra natal do poeta com o Festival América do Sul Pantanal de 2022, no sarau de rua itinerante do Teatro Imaginário Maracangalha.

O evento de múltiplas linguagens artísticas foi realizado entre a tarde e noite de quarta-feira (25) no entorno do antigo Sarobá, bairro habitado por ex-escravos negros no início do século XX e retratado por Lobivar Matos em 30 poemas que escancaram a discriminação, o abandono, a miséria e a libertinagem a que eram submetidos, à margem da sociedade. Hoje, o bairro integra a cena urbana da cidade, se chama Borrowisk – porém, ainda é considerado “boca quente”.

“Estamos aqui para contemplar esse lugar e pessoas, com um olhar diferente, resgatando a memória, os botecos, as antigas histórias, as festas e as orgias, dialogando e retratando uma energia indescritível como pontos de encontros”, diz Fernando Cruz, 58. Ele assina a direção e dramaturgia do espetáculo, que nasceu em Campo Grande há 15 anos e, pela primeira vez, é realizado em Corumbá - a “Cidade Branca”, a que o poeta se refere em suas metáforas.

Já foi Boca Maldita

Com dois prêmios da Funarte pela sua contribuição à cultura, o Teatro Imaginário Maracangalha se propõe a tirar o poeta corumbaense do anonimato, dando visibilidade a uma obra realçada em crônica de Manoel Bandeira na imprensa do Rio de Janeiro. O grupo é composto por atores e produtores de arte e cultura e desenvolve ações continuadas de pesquisa, montagens e apresentações públicas que unem circo, cinema, moda, gastronomia, dança de rua e teatro.

O “Sarobá Boca do Mundo”, um dos destaques da programação de quarta-feira do FASP 2022, durou mais de dez horas e foi realizado em um espaço de boemia, cercado por botecos, uma feira livre tradicional e, ao lado, um mirante, onde se contempla o Rio Paraguai e o Pantanal. Integra três bairros - o Beira-Rio (ou Peixeirada), o Fortaleza (onde havia um forte dos tempos da Guerra do Paraguai) e o Borrowisk, ainda afamado por ser notícia na crônica policial.

A agitação no lugar chamou a atenção dos moradores, que saiam às calçadas ou se aglomeravam em frente aos bares, onde a cerveja era a bebida preferida. Dono do antigo Bar Boca Maldita, hoje Domingão Pantaneiro, Odival Rodrigues Arruda nasceu ali na beira do rio há 57 anos e vivenciou o lado marginal e a urbanização da região esquecida e retratada pela poesia de Lobivar Matos. “Acabou a gangueira, a gente vive tranquilo aqui”, garante.

O poeta não morreu

Muriel Xavier

Companhia Maria Mole, da ativista Bianca Machado, homenageada pelo Sarobá, se apresentou com a Crônica de Vênus

O espetáculo entre a Avenida General Rondon e a Rua Ladário também homenageou duas mulheres ativistas culturais de Corumbá: Bianca Machado, que há 25 anos comanda o movimento Boemia Cultural, e Marlene Mourão, a Peninha. Bianca dirigiu e integrou uma performance teatral – Crônica de Vênus – e também se apresentou com a Companhia Maria Mole, em atividade há 26 anos. “O poeta não morreu, veio para a rua e é modernismo”, vibra.

O sarau contou ainda com a participação dos grupos corumbaenses Cotidiano Difícil e Poetas do Morro, animando a galera com dança de rua em grande estilo e engajamento com as causas sociais no melhor do hip hop. Outra atração foi o show de malabarismo e equilibrismo do casal Guga Morales e Manu Montes, do Rio de Janeiro. “Estamos muito felizes por essa oportunidade”, diz Guga, cujo pai, agostinho, serviu na Marinha de Ladário há 50 anos.

O Festival América do Sul Pantanal, em sua 16ª edição, é promovido pelo Governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura. Com extensa programação cultural em Corumbá, Ladário e nas cidades bolivianas de Puerto Quijaro e Puerto Suarez, situadas na fronteira, o evento segue até o dia 29 de maio. São 118 atividades, 25 oficinas e atrações de mais de 11 áreas artísticas.

PUBLICIDADE