PUBLICIDADE

Campanha estadual de combate a LGBTfobia disponibiliza três canais de denúncias

Portal de Notícias do Governo de MS em 27 de Fevereiro de 2022

Chico Ribeiro

Campanha foi lançada no dia 23 de fevereiro

A campanha estadual de combate a LGBTfobia colocou à disposição três canais de denúncias para as vítimas, por meio do Centro Estadual de Cidadania LGTB, Defensoria Pública e Ministério Público Estadual. A intenção é coibir estes crimes e conscientizar a sociedade.   

Quem for vítima ou presenciar estes crimes podem ligar nos telefones: 3316-9183 (Centro Estadual de Cidadania LGTB), 992657323 (Núcleo de Direitos Humanos da Defensoria) ou 0800 647 1127 (Ouvidoria do Ministério Público).     

Lançada no dia 23 de fevereiro, a campanha leva cartazes com informações e canais de denúncias para repartições públicas, batalhões da PM, escolas da rede pública e estabelecimentos comerciais, por meio de parceria com a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes).      

Outro meio de divulgação é as redes sociais para chegar ao máximo de pessoas possíveis. O subsecretário estadual de Políticas Públicas LGBT, Leonardo Bastos, destacou que desde 2019 o STF (Supremo Tribunal Federal) estabeleceu que LGBTfobia é crime, que inclusive se equipara aos crimes de racismo.   

“Por isso não é mais uma brincadeira, mal-entendido ou agressão que não será devidamente penalizado. A campanha terá a missão de divulgar estas informações em diferentes locais, assim como nas redes sociais. Estamos fazendo algo inédito, tendo o apoio de instituições importantes”, descreveu Bastos. 

O secretário de Cultura e Cidadania, João César Mattogrosso, destacou que o Governo do Estado tem obsessão por políticas públicas de enfrentamento a qualquer tipo de preconceito. “O Estado é destaque nestas iniciativas e está no caminho certo, já que todos os dias temos dados alarmantes em relação a estes crimes, inclusive o Brasil é o que mais mata a população LGBT no mundo. Ficamos tristes com esta situação e temos que juntos combater este preconceito”.

PUBLICIDADE